O que vem depois do champanhe? Ou a síndrome da 2a. feira…

A cena é clássica: após uma longa e desgastante negociação, cercada de incertezas e expectativas, chega o Dia do Fechamento. Em uma sala com uma mesa geralmente grande, reunem-se os representantes legais de compradores e vendedores acompanhados de seus advogados e assessores financeiros. Os contratos, já impressos, estão empilhados no centro da mesa e o[…]

O negócio já está fechado…só que não!

Dentre as coisas mais interessantes da nossa profissão de advisor em operações de fusões e aquisições os desafios trazidos pelos nossos clientes talvez mereçam destaque. A maioria deles nunca vivenciou uma transação de compra e venda de empresas – o que é natural, já que ninguém vende e compra empresa toda hora! E é justamente[…]

M&A – Oportunidade ou Alternativa Estratégica?

A grande maioria dos empresários e executivos de grandes empresas não recorre à operações de fusões e aquisições como uma forma de aprimorar a execução de sua estratégia de negócios. Estas operações são geralmente tratadas de maneira oportunística – normalmente motivadas por uma abordagem vinda de fora para dentro – e sem nenhum ou pouco[…]

Que convergência é esta?

Basta abrir uma revista especializada na área de telecomunicações, ou até mesmo revistas mais genéricas que ultimamente têm sido atraídas pelo tema, que a palavra “convergência” irá aparecer. Apesar de se tratar de um termo com diversas aplicações contemporâneas, convergir nada mais é que dirigir-se para um ponto em comum, ou seja, quando duas ou[…]

Outsourcing

Meu entusiasmo pelo outsourcing tem origem: meu primeiro emprego foi numa empresa que terceirizava todas as suas atividades de TI e Telecom – em 1990. Desta forma, tomei contato com o conceito logo cedo e, como profissional de tecnologia que eu era à época, acabei interagindo diretamente com aquele nosso fornecedor. Para mim tudo era[…]

Qual o limite da terceirização?

Até onde faz sentido terceirizar a execução de atividades em uma empresa? Este processo deve acontecer exclusivamente em áreas de suporte das organizações ou pode-se avançar em setores mais estratégicos e relacionados ao negócio principal das empresas? Quando se olha para uma organização moderna percebe-se que uma série de atividades já é hoje entregue a[…]